sábado, 11 de fevereiro de 2012

Amor camuflado

Não sei porque escrevo coisas que nunca irá ler.
Faço poesias e canções que jamais  vai saber...

Mas mesmo assim, grito o amor que está aqui dentro,
que arde como brasa e queima como fogo...

As vezes  tenho que controlar a ansiedade de correr para seus braços...

Então choro, sofro,  permaneço na solidão
da tua ausência e me  afogo nesse amor que me consome...

Nenhum comentário:

Postar um comentário